AJUDAMOS AS PESSOAS A SEREM MAIS FELIZES

natal-tempo-de-reconciliacao

Natal: tempo de reconciliação

Nossa celebração mais familiar e acolhedora é o Natal. Culturalmente, somos um país que se esforça para comemorar a data à altura do significado que ela tem para nós, maioria cristã no país. Planejamos festas, comidas, reunimos a família, nos preocupamos com os presentes de todos, sobretudo das crianças, decoramos a casa, convidamos os amigos, fazemos compras, montamos árvore de Natal, preparamos um modelo novo para vestir na noite e no dia especial…

Mas, e a principal mensagem do Natal? Será que estamos entendendo e trazendo-a para nossa vida? Dentre tantas festas, correrias e afazeres que envolvem o fim do ano, estamos mesmo atentando para o real significado do Natal? Ou estamos apenas focados nas festas – que são ótimas, claro, celebrar é rito fundamental de alegria e reconfortante para todos – e no oba-oba do abrir das rolhas dos vinhos?

É preciso lembrar a cada comemoração, a cada festa, a cada celebração, a cada amigo secreto, a cada troca de presentes que Natal é tempo de nascimento. É o momento de renovar as esperanças para a vida nova, que tem a possibilidade de trazer a salvação, se assim desejarmos para nossa existência. O nascimento do Cristo, que é a comemoração da data, propõe novos rumos e esperanças, que se bem entendido e assimilado por nós, pode trazer um alento e tanto para nossos corações, sobretudo nesses tempos, que andam tão difíceis!

Abra sua alma para todas as mensagens que o Natal traz consigo. Celebre as pessoas, os seres que estão ao seu redor. Seja grato a eles por tudo o que viveram neste ano e renove com eles os laços que os manterão juntos no próximo. Dê um olhar grato para todas as coisas boas que você almejou e conquistou neste período. Se conseguir, dê as mãos para a gratidão e faça as pazes com aquilo que também não foi bom, afinal isso nos serve para crescimento e amadurecimento. E, sendo assim, um Feliz Natal. Que a esperança nasça em seu coração.

Faça sua Parte!

Como está sendo a sua vida? E com seus familiares e a sociedade?
Muitas vezes deixamos de fazer a nossa parte em relação a nós mesmos.
Se formos sinceros conosco, fica bem mais fácil de ser feliz.

Pense nisso!

balanco-emocional

Balanço emocional

Fim do ano chegando e, com ele, a hora propícia para fazermos o tradicional balanço emocional do período que passou. Longe do clichê, o ideal é que façamos um esforço para rever as metas planejadas, celebrar as que foram alcançadas, entender os pontos que levaram a não conseguir outras e ponderar sobre nosso próprio crescimento. Este é um exercício e tanto de evolução, pois quando trazemos para o consciente uma discussão interna como esta estamos colocando em xeque nossos conflitos e amarras mais profundas.

Continue lendo

casal-grande

Existe a pessoa certa para nos relacionarmos?

A ladainha é sempre a mesma. Basta ter um círculo de mulheres reunidas e os bordões começam a ser ouvidos: “não tenho sorte”; “é sempre cilada”; “tenho dedo podre para homens”; “só escolho errado”; “é canalha, é comprometido ou é infiel”. E a lista vai só aumentando. De um lado elas reclamando que não encontram homens bacanas para um relacionamento. Do outro eles, também por sua vez, dizendo que hoje em dia as mulheres não querem saber de nada sério ou, exatamente ao contrário, criam expectativas demais e depois do primeiro encontro já querem marcar a data do casamento.

Continue lendo

violáo-grande

Faça o que ame. E faça também o que é preciso com amor

Claro que o sonho de quase todo mundo é aliar trabalho e paixão. Sobretudo nestes novos tempos, em que o modelo patriarcal e tradicional de trabalho está chegando a níveis máximos de estresse, em que muita gente já está migrando para novos moldes de labor, a máxima “faça o que ame” nunca esteve tão em voga!

Continue lendo

corrida-grande

Consciência corporal. Você tem?

Desde muito cedo somos ensinados a descaracterizar nosso corpo. Aos poucos e de diversas formas, vamos desaprendendo que somos a união de três elementos: corpo, espírito e mente. Na infância já somos podados de circular livremente pelos espaços e nos colocam em um quadrado cercado ou em um andador, que limita os movimentos espontâneos e naturais. Sem falar nas expressões: “para de correr, não pule tanto, tenha modos, não sobe aí”.

Continue lendo

corda-grande

Você se autoboicota?

Conheço uma pessoa que só se mete em encrenca. Tudo de ruim acontece a ela. Todos os assaltantes da cidade chegam até ela, o galho de árvore, dentre tantos na rua, cai em sua cabeça, o pneu do carro fura duas vezes por mês. Tudo o que é zica cai no cidadão. Dia desses eu o perguntei: porque você está atraindo todas essas mazelas para você? Ele ficou sem entender e a questão não teve resposta!

Continue lendo

se-a-vida-der-limoes-faca-uma-boa-limonada_blog

Se a vida te der limões faça uma boa limonada

Normalmente, temos uma tendência natural de reclamar e sofrer de forma excessiva pelos males que nos acontecem. Sim, OK, às vezes as coisas não saem como desejamos, o trem sai dos trilhos, acontecem tragédias horríveis. A dor é natural e deve ser vivida, porém fazer um drama exagerado e se manter na sensação negativa pode também ser escolha nossa. Tem gente que é perito em se apegar a algum fato ruim que lhe aconteceu e ir arrastando corrente ao longo da vida.

Continue lendo

O-poder-do-pensamento

O poder do pensamento

O cérebro humano não distingue o real do imaginário. Não consegue entender isso? Vamos a um exemplo prático. Certa vez um psicólogo ouviu o relato de uma mulher, que havia tido uma forte briga com o namorado, fazendo com que ele decidisse finalizar o romance. Questionada sobre o motivo da briga, ela logo respondeu: “ele me traiu”. Depois, esmiuçando a cena para o terapeuta, o que tinha ocorrido foi o seguinte. O namorado saiu para jogar futebol com os amigos num sábado de manhã, seu celular ficou sem bateria. Do jogo, emendaram em um churrasquinho, que durou até o meio da tarde. Na seqüência, um dos amigos passou mal e tiveram que levá-lo ao pronto-socorro da cidadezinha de interior onde viviam.

Continue lendo