AJUDAMOS AS PESSOAS A SEREM MAIS FELIZES

Projeto-de-Vida.-Você-já-fez-o-seu-para-2015-blog

Projeto de Vida. Você já fez o seu para 2015?

O primeiro mês do ano novo está quase terminando e você já começou a botar em prática as resoluções que fez para 2015? Se ainda não deu o pontapé inicial ou mesmo se nem pensou em como será este novo ciclo, nós te damos uma mãozinha. Afinal, quem faz um ano novo, um mês novo, um dia novo, enfim, uma vida nova somos nós. A vida nunca mudará se continuarmos com os mesmos velhos hábitos de sempre. Portanto, mãos à obra!

Continue lendo

Faxina-emocional

Faxina emocional

Em espaços ocupados não cabem coisas novas. Essa é uma lei da física, mas que se aplica totalmente a nossa vida, a níveis mais profundos e não apenas materiais. Com a chegada deste novo ano vem também uma ótima oportunidade para que possamos esvaziar a mente do que não foi saudável no período anterior e liberar espaço para que o novo entre.

Continue lendo

voce-espera-ou-faz-um-ano-novo

Você espera ou faz um ano novo?

Mais um ano chega ao final e 2015 já está batendo à porta. Esta época do ano sugere o costume de fazermos uma reflexão do que passou e os planos para um novo período, além das tradicionais celebrações e festas. É também hora de receber e enviar mensagens para as pessoas que amamos, com conteúdos recheados de amor, paz, prosperidade e desejos de sonhos realizados.

Continue lendo

natal-tempo-de-reconciliacao

Natal: tempo de reconciliação

Nossa celebração mais familiar e acolhedora é o Natal. Culturalmente, somos um país que se esforça para comemorar a data à altura do significado que ela tem para nós, maioria cristã no país. Planejamos festas, comidas, reunimos a família, nos preocupamos com os presentes de todos, sobretudo das crianças, decoramos a casa, convidamos os amigos, fazemos compras, montamos árvore de Natal, preparamos um modelo novo para vestir na noite e no dia especial…

Continue lendo

Faça sua Parte!

Como está sendo a sua vida? E com seus familiares e a sociedade?
Muitas vezes deixamos de fazer a nossa parte em relação a nós mesmos.
Se formos sinceros conosco, fica bem mais fácil de ser feliz.

Pense nisso!

balanco-emocional

Balanço emocional

Fim do ano chegando e, com ele, a hora propícia para fazermos o tradicional balanço emocional do período que passou. Longe do clichê, o ideal é que façamos um esforço para rever as metas planejadas, celebrar as que foram alcançadas, entender os pontos que levaram a não conseguir outras e ponderar sobre nosso próprio crescimento. Este é um exercício e tanto de evolução, pois quando trazemos para o consciente uma discussão interna como esta estamos colocando em xeque nossos conflitos e amarras mais profundas.

Continue lendo

casal-grande

Existe a pessoa certa para nos relacionarmos?

A ladainha é sempre a mesma. Basta ter um círculo de mulheres reunidas e os bordões começam a ser ouvidos: “não tenho sorte”; “é sempre cilada”; “tenho dedo podre para homens”; “só escolho errado”; “é canalha, é comprometido ou é infiel”. E a lista vai só aumentando. De um lado elas reclamando que não encontram homens bacanas para um relacionamento. Do outro eles, também por sua vez, dizendo que hoje em dia as mulheres não querem saber de nada sério ou, exatamente ao contrário, criam expectativas demais e depois do primeiro encontro já querem marcar a data do casamento.

Continue lendo

violáo-grande

Faça o que ame. E faça também o que é preciso com amor

Claro que o sonho de quase todo mundo é aliar trabalho e paixão. Sobretudo nestes novos tempos, em que o modelo patriarcal e tradicional de trabalho está chegando a níveis máximos de estresse, em que muita gente já está migrando para novos moldes de labor, a máxima “faça o que ame” nunca esteve tão em voga!

Continue lendo

corrida-grande

Consciência corporal. Você tem?

Desde muito cedo somos ensinados a descaracterizar nosso corpo. Aos poucos e de diversas formas, vamos desaprendendo que somos a união de três elementos: corpo, espírito e mente. Na infância já somos podados de circular livremente pelos espaços e nos colocam em um quadrado cercado ou em um andador, que limita os movimentos espontâneos e naturais. Sem falar nas expressões: “para de correr, não pule tanto, tenha modos, não sobe aí”.

Continue lendo